Inominado Anônimo

A falência da Polícia Civil

Posted on: 11/novembro/2008

Há tempos, quem me conhece pessoalmente, ouve-me proferir que a Polícia Civil é uma instituição falida. Estou falando da Polícia Civil do Estado de São Paulo, que é a que tenho contato, mas imagino que a situação em outros estados seja ainda pior, dada a precariedade com que outros estados “cuidam” de suas polícias.

A Polícia Militar ainda salva-se graças ao militarismo, às vezes cruel e desumano, mas certamente ainda é a pilastra que sustenta e faz funcionar aquela instituição.

Faço bico (segundo trabalho) numa empresa de monitoramento eletrônico (alarme comercial e residencial) e o dia que atendi o disparo de alarme na DIG/DISE (delegacia de investigação geral e delegacia de investigação sobre entorpecentes), percebi que a Segurança Pública, principalmente na parte da Polícia Civil, está completamente comprometida. Oras, são duas delegacias “especializadas” (considerada entre os policiais civis a elite da Polícia Civil) e são “seguradas” por um sistema eletrônico.

Felizmente a vida real me dá exemplos perfeitos pra colocar aqui no blog, e o exemplo para o qual estou querendo fazer apologia, é o ataque à Delegacia de Botucatu, onde bandidos arrombaram o prédio, estouraram um cofre, roubaram outro carregando-o e colocando-o sobre uma caminhonete e depois incendiaram processos com combustível, com o fato inesperado de ter ocorrido uma explosão, inclusive ferindo alguns bandidos, já que a casa desmoronou em cima deles.

A explosão não era esperada, está tão difícil assim pra polícia perceber isso??? Eles devem ter colocado MUITA gasolina e ter esperado tempo demais pra iniciar o incêndio. A casa, cheia de vapor de gasolina virou uma bomba pronta pra explodir, e, aconteceu!

Não tinha explosivo, se houvessem explosivos, eles teriam arrebentado o cofre, mas não fizeram isso, eles carregaram o cofre!!!

Agora a mídia fica hipocritamente indignada, pois uma delegacia com armamentos, viaturas e droga apreendida simplesmente é fechada às 18 horas e todos vão embora pra casa, como bons funcionário públicos que são. Digo hipocritamente porque TODAS as delegacias do estado permanecem fechadas e sem supervisão de um policial civil durante a noite, com excessão de cadeias e plantões policiais.

Mais hipócrita é um Delegado Seccional vir à público, alimentar a mídia com a seguinte alegação:

TERÃO RESPOSTA

Faça-me o favor né não seu delegado, se houvesse apenas um policial, mesmo que dormindo, dentro da delegacia, o máximo que teria havido era o arrombamento da porta, depois ele deflagraria a tentativa, ao menos é o que se espera de um policial.

A realidade mostra que o buraco é bem mais embaixo, não raras vezes ao chegar no plantão policial de minha cidade no meio da madrugada, tivemos que acordar o escrivão aos gritos, que estava dormindo com as portas abertas (inclusive em época de ataques do PCC contra delegacias)! Depois de várias ocasiões que essa cena foi repetida, as coisas mudaram, agora eles fecham as portas do plantão policial, que era pra estar aberto por 24 horas!!! E os policiais militares e guardas civis municipais, tem que ficar batendo na porta pra conseguir apresentar uma ocorrência.

Em festas famosas da cidade, como Feira de Exposição Comercial e Industrial ou até Festa de Peão, os policias civis usam a delegacia móvel (veja foto de um exemplo), com seu toldinho desenrolado, com cadeiras embaixo, para tomar cerveja em público, como se estivessem num barzinho e a passeio!!!

E esses vagabundos ainda têm coragem de entrar em greve por melhores salários!!! Vagabundos armados que usam armas e viaturas policiais pra protestar em greve.

Fica aqui o meu desabafo, pois só tem direito de exigir aumento quem trabalha!

1 Response to "A falência da Polícia Civil"

[…] Conforme escrevi aqui no artigo A FALÊNCIA DA POLÍCIA CIVIL, o G1 noticiou o seguinte: Os criminosos também encheram um galão com 20 litros de […]

Os comentários estão desativados.

Technorati

weblogUpdates.ping YOUR WEBLOG NAME HERE http://www.YOURWEBLOGURL.com/
%d blogueiros gostam disto: